29.11.07

El Truco: últimas apresentações



O escritor inventou tudo, inclusive a si próprio. O bunker era imaginário, assim como os nomes dos atores, das personagens e das pessoas que inventavam os nomes das personagens. Eram reais apenas seus instintos primitivos, o medo, o amor, o ódio, o riso, a dor, a luxúria, o sonho e a loucura, a vida e a morte. A peça em si foi uma grande farsa, um ensaio interminável ou um delírio coletivo.

Mas faça de conta que existe uma peça. Faça de conta que existe um livro. Faça de conta que você existe, e que sabe quem é realmente. Faça de conta que é tudo verdade e que o bunker é um espelho. Veja seu rosto refletido. O reflexo é um truque: é apenas um raio de luz. A noite clara faz sonhar com a floresta. Quando acordar verá que são apenas atores.

O casamento nunca aconteceu. O duende nunca ganhou seu papel. A guerra nunca terminou e na fuga ninguém sobreviveu. A peça nunca sequer começou.

É um espelho. Um truque de luz, uma brincadeira. Assista El Truco, mas não leve muito a sério. Espaço dos Satyros Dois, Praça Roosevelt 134, Centro. Domingos dias 02, 09 e 16 de dezembro às 18 horas. Ingresso: 5 a 20 reais.

A história continua dentro da coxia.

15.11.07

O Blog, a Chuva e a Lua



Havia coisas demais para escrever, então desisti de publicar. Não sei se é doença de blogueiro ou a tendência de afogar-se com o excesso de informação. Faz um mês que não escrevo nada.

Caía água demais, então desisti de sair. A chuva alaga a rua. Há o risco de afogar-se com o excesso de água. A rua é o princípio de uma ladeira, então imagino que lá embaixo as coisas estejam piores. Faz uma hora e meia que não faço nada.

Foi clicando que cheguei numa foto da Terra vista da Lua. Há um robô japonês orbitando os pólos lunares, fazendo filmes e tirando fotos. Faz tempo que ninguém vê a Terra da Lua. Neste vídeo a nave orbita o pólo norte da Lua e assiste a Terra surgir no horizonte. Neste outro, com mais zoom, a Terra surge de cima e some no horizonte. Os japoneses chamam os vídeos de fotos em movimento.


A Terra vista da Lua

Enquanto a chuva lá fora aumentava eu conversava com uma amiga no MSN que me mostrou aquele site dos que duvidam das viagens à Lua. Eu já conhecia. Adoro sites de teorias conspiratórias. Me divirto muito com eles. Além de não acreditar que os humanos pisaram na Lua, eles também acreditam que o Sol gira em torno da Terra, que a bomba atômica não existe e que as notícias que contradizem esses fatos são mentiras difundidas por grupos poderosos que não querem que a verdade seja revelada. Eu nunca havia clicado nas páginas traduzidas. Tem tradução até para chinês, russo e japonês. Devem ser engraçadíssimas, pois as páginas em inglês foram traduzidas pelo Babelfish e contém trechos como "Paid NASA plus a mico when announcing that it would go to contract writer to prove that gone the Moon would have been truth and to give up the depois." Lunáticos.

A chuva diminui. Eu já poderia desligar o computador e ir embora, mas a viagem me levou a sites que defendem o geocentrismo e me peguei lendo argumentos que defendem que na verdade a Terra é plana. Que interessante. Consegui escapar através do Google. Além de mapear a Terra, Marte e o Universo, o Google também possui um site com mapas da Lua. Usa a mesma estrutura do Google Maps, e tem além das fotos, diagramas detalhados da superfície lunar (com cores de relevo) e descrições detalhadas sobre as seis missões do projeto Apollo que foram à Lua. Fiquei lendo até que a chuva parou.


Google Moon

A chuva parou mesmo. Agora é só esperar um pouco para a água escoar. Talvez dê tempo escrever alguma coisa no blog antes de sair. Talvez para falar da ausência de posts, da chuva, escrever algo sobre a Lua.