30.1.07

Naughty McNaught mostra o rabo

Meu computador está passando por uns graves problemas de saúde e eu estou toda semana em uma cidade diferente. Isto tomou meu tempo e não consegui terminar o segundo post que eu escreveria sobre cometas. Vou deixar para falar deles em outra ocasião, mas para fechar o assunto, uma galeria de fotos da passagem do surpreendente McNaught.

O sudeste estava coberto de nuvens. Belíssimas nuvens. Nada de cometa. Somente nuvens formando quadros abstratos com a Lua.


Dia 20, na Praça do Por do Sol (São Paulo). Neste dia houve uma conjunção de Vênus com a Lua.

Por sorte, viajei para o sul e finalmente (depois de umas sete tentativas frustradas no Rio e em São Paulo), consegui fotografá-lo em Caxias do Sul.


Dia 22, em Caxias do Sul

Foi o melhor que eu consegui, apesar da névoa, das luzes da e da minha máquina com míseros dois segundos de exposição.

Mas minha foto não é nada diante das imagens abaixo.


Dia 18, na Austrália


Dia 20, em Porto Alegre, por Sandro Eboni

McNaught apareceu sem avisar, e já se foi. Volta, dizem, em cem milênios. Mas antes haverá outros. Sempre existe a possibilidade de um cometa nos surpreender a qualquer momento, passar raspando pela Terra e causar um belo espetáculo.

Mas não foi só o cometa que me supreendeu em Caxias do Sul. No dia em que voltaria para São Paulo, uma chuva repentina impediu que o avião pousasse, e tive que esperar por um ônibus no aeroporto que nos levaria para Porto Alegre. Então, fui até a banca de revista, abri uma conhecida revista de literatura e tive um susto. Vou contar essa história no próximo post, que vai causar uma tempestade.

17.1.07

Naughty McNaught


Cometa McNaught sobre a Cracóvia no último dia 13 de janeiro (NASA)

“Cometas são estrelas vis. Todas as vezes que eles aparecem no sul, algo acontece para dar um fim ao que é passado, e estabelecer o novo” (Li Ch’un Feng, 602-667 d.C.)*

“Cometas são a fumaça dos pecados humanos, nascendo todos os dias, todas as horas, em cada instante, cheio de miasma e horror diante da face de Deus” (Andreas Celichius, bispo luterano de Altmark, 1578)

“Se cometas fossem causados pelos pecados dos mortais, eles nunca estariam ausentes dos céus” (Andreas Dudith, também bispo de Altmark, 1579)

“Senhor, livrai-nos do diabo, dos turcos e do cometa” (Trecho inserido na Ave Maria pelo Papa Calixto III, em um ato de excomunhão contra o cometa Halley de 1456. Ele acreditava que o cometa tinha ligações com a causa turca e a tomada Constantinopla.)

“Os franciscanos, desarmados, crucifixos nas mãos, estavam no pelotão de frente, invocando o exorcismo papal contra o cometa” (relato da batalha de Belgrado, cidade sob controle cristã assediada pelos turcos por Mohammed II em 1456)

“Em Tenochtitlán, o imperador asteca Montezuma II (1466-1520) estava a espera do grande deus de barbas brancas, Quetzacoatl, que de acordo com as profecias, voltaria ao México para reivindicar seu império. Quando dois cometas brilhantes apareceram em seqüência parecendo encontrar-se no céu, Montezuma tomou como certa a previsão que Quetzacoatl estava a caminho e que o império asteca já não era mais seu. Desconsolado, ele passou a considerar cada incêndio, tempestade ou catástrofe da natureza como sinais que reforçavam essa certeza. O mestre do maior império do ocidente foi reduzido à imobilidade por dois cometas e uma profecia. Então, em 1519, quando o conquistador de barbas brancas Hernan Cortés chegou dos mares orientais com uma força expedicionária de 600 homens e alguns cavalos, Montezuma não precisou de muita persuasão. Ele entregou seu império de volta a Quetzacoatl. Por vários motivos os astecas não resistiram ao pequeno exército de Cortés, mas a conquista e o saque do México, e a aniquilação da civilização asteca foram, em alguma medida significativa, devido ao terror fatalista dos cometas.” (Carl Sagan e Ann Druyan, Comet, Random House, 1985)


Cometa McNaught sobre a Catalunha no último dia 15 de janeiro(Juan Casado)

Atrás das nuvens há um cometa. Por alguns dias tem sido o maior astro do Sistema Solar, superando várias vezes o Sol (estou incluindo a cauda). Chegou aqui no sul na segunda-feira, mas está de passagem e vai embora. Ele chama-se McNaught.

Se as nuvens não estiverem, cubra o Sol e procure à sua esquerda, ou espere o fim da tarde quando a luz diminuir. Nem o Halley, nem o Hale-Bopp brilharam tanto. Faz 40 anos que um cometa não brilha tanto. Não deixe passar. Pode ser que você nunca mais veja um tão brilhante. Amanhã escreverei outro post sobre cometas.

* Todas as citações são do livro Comet, por Carl Sagan e Ann Druyan.