12.12.07

Não está no texto, está na vida!

A Santa. A Madonna, de Edward Münch
A Madonna, por Edward Münch

Uma faísca de luz numa noite clara de verão espalhou o fogo. Começou suave, mas fez desabar a casa onde ela dançava. As fundações estavam gastas mas ninguém tinha coragem de tocá-las com medo que as paredes caíssem, até que veio a guerra, e uma inocente faísca. As estruturas vulneráveis sucumbiram, o incêndio alastrou-se e tudo que era estável desintegrou-se em chamas. Nem parecia real, talvez fosse mero reflexo ou cena teatral. Ela, que multiplicara-se em personagens, já não cabia no lugar que tornara-se pequeno demais. Descobriu-se só no vasto e imprevisível mundo, e saiu da cena, livre, guiando-se pelos caminhos abertos pelo fogo.

Ele imaginou-se uma faísca e sonhou com o fogo, onde descobriu seu próprio rosto refletido como num espelho. “O homem”, imaginou ter ouvido alguém falar. Olhou novamente e sentiu as chamas, e novamente o eco refletiu “O fogo”. Era sonho, pois ao acordar só lembrava que era outro, apenas um ator, um ator medíocre. Não lembrava mais nada. Sua identidade parecia existir apenas no texto que esquecera. Era teatro. Mas quando acordava o seu coração continuava em chamas então confundia-se e não sabia se amava a atriz ou a personagem. Talvez nada disso exista, de fato, na vida. É um truque. Talvez esteja apenas no texto.

Nem tudo é real. Nem tudo é apenas teatro. É um truque. E o que é que a Madonna de Münch tem a ver com tudo isto? Não sei. Talvez eu tenha trocado um ou dois idiomas que se misturaram. Assista El Truco (e não leve muito a sério). A última chance é neste próximo domingo, dia 16 de dezembro às 18 horas, no teatro dos Satyros Dois, Praça Roosevelt 134, Centro. É a última chance mesmo! Não haverá outra. Ingresso: 5 a 20 reais. Reserve e chegue cedo pois vai lotar.

(O texto acima e a imagem não têm nada a ver com a peça. Sobre esta peça eu não escrevo nada sério; só viajo. Mas venha ver!)

Nenhum comentário: