23.7.07

Vôo 3721



O terminal não está emitindo o seu bilhete eletrônico? O senhor terá que enfrentar aquela fila. Mas meu vôo vai sair em 45 minutos! Para onde o senhor vai viajar? São Paulo, 18 horas? 3721? Este vôo foi cancelado. Dirija-se àquela outra fila, onde tentaremos acomodá-lo em outro vôo. Aquela fila imensa ali? Não, aquela não. A outra, depois dela. Ah, ok.

Aqui está seu bilhete. Vôo 3715, 19h30. Embarque às 18h50 no portão seis. Tenha uma boa viagem. Obrigado.

Aqui também? Por que esta fila? É porque agora é preciso mostrar a identidade ao entrar na área de embarque. Ah, entendi. Depois tem mais outra fila, para o detector de metais. Laptop? Sim. É preciso tira-lo da mochila. Ok. Por favor, tire também da capa protetora. Acendeu a luz. Moedas, chaves? Não? Tire o cinto, por favor. Ok. Por favor, senhor, poderia arrumar sua mochila em outro lugar para dar espaço para as bagagens dos outros passageiros? Sim, claro, estou apenas colocando o notebook de volta.

Portão seis? Não é este o vôo. A companhia é outra. Deve estar no painel. Ah, achei. É quatro. O portão agora é o quatro e o vôo não sai mais às 19h30 como foi informado no balcão. Está previsto para as 20h15.

Vôo 3715 para São Paulo, informamos aos senhores passageiros que sua aeronave tem seu pouso previsto para as 20 horas, e seu embarque, quando autorizado, será realizado através do portão onze. Ela falou mesmo o vôo 3715? O portão onze fica do outro lado do aeroporto. No bilhete está escrito seis, mas no painel continua quatro. E agora?

Embarque portões nove a onze. Sim, é preciso mostrar a identidade novamente, Sim, é preciso tirar o laptop novamente. Pode passar outra vez, senhor? Moedas, chaves, celular? O cinto. Ah, esqueci. O cinto!

Painel do portão onze. São Luís, Manaus. Não é o meu vôo. Provavelmente ainda não foi atualizado. Mas já são 20h15.

Parece que estão anunciando. O avião já se encontra em solo, mas devido ao reposicionamento das aeronaves agora seu embarque foi alterado para o portão C. No bilhete o portão é quatro, no painel foi seis, mudou e continua onze. Já são 20h30, mas no painel o vôo vai partir às 20h15.

O embarque é imediato. É um ônibus, normal, de quatro rodas. O ônibus não é tão confortável quanto o terminal, principalmente por não ter assentos na porta. Ele está lotado e é muito quente. Fica parado, com o motor ligado, soltando fumaça que os passageiros quietos inalam. O tempo passa devagar. Mais de quinze minutos. Talvez meia hora. Chegam os dois últimos passageiros engravatados e apressados, e ele parte.

Dois ônibus lotados esperam ao lado de um Airbus A320. Três pessoas uniformizadas esperam diante de uma escada e ao lado de um tapete vermelho. As portas do ônibus estão fechadas, o motor continua ligado, e passageiros suados e pacientes observam as pessoas uniformizadas, a nave e o tapete vermelho pelas janelas. Cinco, dez, talvez quinze minutos.

Outra fila. Ah, mas esta não preciso enfrentar. 22E fica nos fundos. Na porta traseira a fila é menor. A bagagem não cabe. O compartimento está cheio. Vou ter que colocar debaixo do assento. É ruim para esticar as pernas. Com licença, eu estou no 22F. Claro! Um momento que eu vou sair. Acho melhor tirar a minha mochila senão você não vai conseguir entrar. Desculpe. Com licença. Obrigado.

Todos sentados. Estamos esperando alguma coisa. Mais meia hora. Onde guardei o iPod? Devo ter despachado. Todos já embarcaram? Parece que sim. Bala de chocolate? Não obrigado. Pensando bem, eu quero.

Não ouvi. O que ele falou? Ah. Esperando o seqüenciamento das aeronaves. Quanto tempo dura isto?

Portas em automático. Neste momento é preciso desligar os telefones celulares. Já está desligado. Poltronas na posição vertical. Ela mal reclina.

E a nave se move, lentamente, até mais uma fila. Que sono. Não posso reclinar o banco ainda. Atenção tripulação. A nave acelera, decola. Agora posso reclinar a poltrona, pouco, um giro de cinco graus.

Perdi o lanche. Dormi. Sim. Eu ainda quero. Claro. Faz horas que não como nada. Sanduíche frio, úmido, pesado, que gruda no céu da boca. Cem mililitros de suco, 30% de gelo.

Não ouvi. O que ele falou? Ele está falando inglês? Não dá para entender nada. Parece que chegaremos às onze horas e trinta minutos. Que ótimo. Cinco horas e meia de viagem.

Vou saber de cor o mapa de Ribeirão Preto. Já vamos iniciar a sétima volta. Ou será a décima? Não sei. Já perdi a conta. Consigo identificar o estádio, avenidas, praças. Quase uma hora dando voltas como um urubu. É culpa do tal seqüenciamento. Tem uma fila para pousar em Congonhas.

Senhores passageiros, aqui quem fala é o comandante, obrigado pela paciência. O que mais ele falou? Não ouvi. O som é ruim. Por que as pessoas estão reclamando? Ele disse que Congonhas fechou e que teremos que pousar em Guarulhos. Ah, que ótimo. Que horas? Não sei.

Meia hora. Esteira D. Por que as malas não chegam? Quase uma da madrugada. As malas não chegam. A esteira é essa mesmo? As malas não chegam. Eu quero dormir. Ah, as malas.

Não senhor, o ônibus não pode parar no meio do caminho. Nós somos uma empresa terceirizada. O contrato é para levar os passageiros até Congonhas. O senhor pode falar com o motorista, se o senhor estiver sem bagagem ele talvez possa parar.

Não. Não vai dar. Vou pela Vinte e Três de Maio. Não dá para parar. Não posso assumir o risco, você me entende? Claro.

Congonhas, São Paulo. 15 graus, 1h55. Aeroporto fechado. Brasília a São Paulo, 8 horas. Cai uma chuva fina e constante. As pessoas esperam na fila do táxi. Esqueceram de colocar o tapete vermelho.

4 comentários:

Dennes disse...

De onibus, senão mais rápido, pelo menos deve ser mais confortável...

Dennes Torres

Anônimo disse...

Contato! Eu disse que anotaria o endereço, mas a bebedeira apagou da memória. Sorte que o Bia colocou um link! (Paulo Corrêa).

lulu disse...

e a gente ainda paga por isso...

Virginia Pereira disse...

Olá Helder, adorei todos os seus espaços(iniciei por Dante e viajei por quase todos...), e não poderia deixar de comentar a beleza e a cultura de todos eles, parabéns!!
Como já existia uma VIRGINIA na obra comentada no post abaixo resolvi deixar minha marca por aqui!! Um abração!
PS: indo e vindo sobre quatro rodas ou asas por este pais lindo, concluimos que alguma coisa(ou muitas...) está errada no comando desta terra!!!!