12.7.07

É muito sério


Imagem: agência O Globo.

O técnico da seleção brasileira de arremesso de havaianas e seus doze atletas desembarcaram às 18 horas e dez minutos no aeroporto de Reykjavik, na Islândia. Eles foram selecionados para representar o Brasil no Campeonato Internacional de Arremesso de Calçados que aconteceria por lá. Era março e estava muito frio. A média estava em torno de seis graus negativos. Mas para os atletas estava mais frio ainda, pois era verão no Brasil.

O técnico e seis atletas chegaram primeiro no hotel, e dirigiram-se a uma sala aquecida onde fariam uma reunião e dariam entrevistas antes de descansar. Enquanto esperavam os outros, ficaram conversando e fazendo piadas sobre o frio.

– Nossa, isto aqui está uma Sibéria – comentou o técnico.

Todos riram. Os outros chegariam em breve, e o técnico, para saudá-los de forma bem-humorada, escreveu no quadro branco que havia na sala, “Bem vindos à Sibéria”.

Foi um escândalo. Jornalistas entraram na sala e viram o quadro. Tiraram fotos. Muitas pessoas apareceram e houve um tumulto na entrada. A entrevista acabou ficando para o dia seguinte. Mas, na manhã do dia seguinte jornais de todo o país estampavam na primeira página uma foto do quadro e do técnico. Políticos e autoridades locais se manifestaram contra a atitude do técnico:

– "É uma afronta. Um absurdo! Mas como ousam comparar-nos àqueles bárbaros siberianos? Nós somos sérios. Isto é um país sério." – Hagar Terribilis, juiz aposentado.

– Quem eles pensam que são? Só porque são campeões mundiais em arremesso de sapatos acham que são melhores? É isto? – Hans Ikikurrah, engenheiro.

Não adiantou o técnico explicar que era apenas uma brincadeira. Mas ele percebeu que havia cometido uma gafe diplomática. Pediu desculpas aos islandeses e se defendeu dizendo que não teve a intenção de ofendê-los. Era uma piada por causa do frio intenso que fazia lá fora.

– Ora, que desculpa esfarrapada! – comentou uma mulher – Frio? Que frio? Seis graus abaixo de zero? Faça me o favor! Ele escreveu isto dentro do hotel que é climatizado! Agora ele está atrás de uma desculpa para se safar!

O prefeito percebeu a gravidade da situação e fez uma declaração pública à imprensa:

– Foi uma declaração infeliz. Qualquer um sabe que somos muito diferentes da Sibéria. Nada contra a Sibéria, claro, um país bonito, de um povo honrado, nômade, descendentes dos grandes mongóis, mas a comparação foi irresponsável e revelou algum preconceito. Senso de humor é bom, mas tem limites.

O técnico ainda tentou defender-se através da mídia:

- Preconceito? Onde? Contra os imigrantes orientais? Eu juro que não fiz comparação alguma. Era uma piada, já disse. Mas, e se fosse uma comparação? Eu não sabia que era uma ofensa fazer comparações assim. Aqui também não há planícies e lagos frios como na Sibéria? E eu gosto daqui! Não ligo para o frio. Eu sempre quis conhecer a Islândia.

Temendo que o episódio causasse um desgaste nas relações entre os dois países, a CBAC – Confederação Brasileira de Arremesso de Calçados achou melhor afastar o técnico e enviar um substituto. O prefeito da cidade aplaudiu a decisão, e autoridades de ambos os países trocaram elogios. Tudo voltou ao normal e o evento foi um grande sucesso.

Leia também:

Um comentário:

Ulisses Adirt disse...

E o pior é que ainda perdemos a competição de arremesso...