28.9.06

Sobre o sentido da vida

Ontem eu estive em uma conferência muito séria. Como eu estava na platéia, e não em pé, defendendo pontos de vista, eu naturalmente adormeci, como sempre faço nas conferências. Na verdade, eu não lembro de ter ido à conferência, apenas lembro de ter acordado quando meu vizinho me cutucou, provavelmente porque eu estava roncando, embora eu tenha certeza que eu não ronco.

Eu demorei para perceber o tema da conferência, pois apesar de muito séria, os argumentos dos palestrantes me pareciam totalmente absurdos. Tinham uma lógica precisa, uma abordagem cuidadosa e tudo parecia claro, óbvio, perfeito, conseqüentemente absurdo.

Meu despertar foi lento, e a sala estava um tanto escura. Foi por isto que só algum tempo depois percebi que se tratava de um simpósio. Era o que estava escrito numa faixa que pendia da mesa que estava atrás do palestrante: XVII Simpósio Internacional sobre o Sentido da Vida. Era mesmo absurdo! Como é que se discute uma coisa dessas? Todos sabem que o sentido da vida é 42.

O próximo palestrante era o Paulo Betti. Concluí que só poderia estar tendo um pesadelo. Não sei o que ele estava fazendo ali, mas ele veio com uma tese interessantíssima: o sentido da vida é a Merda. Ele já havia, em outros fóruns, convincentemente demonstrado por argumentos filosóficos chauístas o papel importantíssimo da Merda na política e desenvolvimento das nações. Ele aparentemente foi convidado para desenvolver o seu argumento. Mas o que isto tem a ver com o sentido da vida? Ora, segundo o palestrante, toda a evolução da humanidade e das espécies visa unicamente à perpetuação dela: a Merda. É a principal fonte de vida e de energia. É ela quem nutre o solo, que nutre as plantas, que são comidas pelos animais, que são comidos pelos humanos, e que um dia irão fazer cocô em outros planetas e espalhar-se Universo. Mostrou que se o mundo parasse de fazer cocô, toda a civilização e a biosfera entrariam em colapso e a Terra viraria um deserto estéril. Através de complicadas equações matemáticas demonstrou sua tese de que era a Merda a misteriosa matéria escura cuja massa ocupa a maior parte do Universo, e o principal componente dos buracos negros que devoram as galáxias. Conseqüentemente, o Big Bang foi um gigantesco pum que espalhou os gases incandescentes e partículas fecais que formam todo o Universo conhecido. Em suma, enterrar as mãos na Merda é uma forma sublime de encontro com a divindade, com a essência primordial do Universo.

Eu não consegui assistir até o fim. Ele começou a viajar em digressões absurdas contrastando sua tese com as teorias do Rev. Dawkins e do Dr. Pangloss e eu cochilei. Tive pesadelos com lulas gigantes, porcos falantes e sanguessugas barbudas que me perseguiam. Fugi para a floresta. No meio do caminho, no fim da rua encontrei um precipício. Não tive dúvidas: pulei.

Fui salvo por um indiano de turbante rosa, hálito de alho, olhos enormes e um sorriso desdentado que se apresentou como Mustafá Smith. Ele por acaso passava no momento do meu salto em seu tapete voador fabricado em Ashgabat. A única coisa que ele falou que eu entendi foi seu nome. Depois passou o resto da noite contando piadas na língua dele e rindo da minha cara. Eu não entendia nada, mas ele ria tanto que eu ria também sem saber por que. O tapete era ridículo. Tinha ursinhos rosas estampados e uma etiqueta enorme onde se lia "Made in Ashgabat". Era tudo tão ridículo que não havia sentido em fazer outra coisa a não ser rir. Quando eu já não aguentava mais de tanto rir, Mustafá falou alguma coisa, fez umas caretas grotescas e me empurrou violentamente. Pude ouvir suas gargalhadas histéricas enquanto eu caia das alturas a espatifar-me nas areias do deserto. Doeu horrores. Fiz fumacinha que nem o coiote. Morri rindo, com a cabeça estourada e sem mandíbula. Tudo era uma grande piada.

Acordei algum tempo depois em outras terras com o Sol queimando a pele do meu rosto. Foi demais para uma noite. Tive uma crise de riso tão intensa que quase morri de asfixia. Passei o resto do dia rindo à toa, como um louco.

Acho que na noite passada corri um grande risco de levar a vida a sério, mas fui salvo por um tal de Mustafá Smith em seu tapete de ursinhos rosas.

10 comentários:

Gabi disse...

Sensacional. Não consigo pensar em mais nada além disso. Um dos melhores textos que li nos últimos tempos.

Sério.

Beijocas!!!!!

Sandra disse...

Muito bom!! Mas eu acho melhor você comer menos antes de dormir!! Brincadeira, anjo... Foi uma viagem na qual embarquei.

Paulo Maeda disse...

o metrô ficou de lado?
se começar a levar a vida a sério
começara a criar ligações de mustafá smith com borges
não faça mais isso

Anônimo disse...

Realmente. Esse texto é uma MERDA!
... brincadeirinha...:p

Muito criativo... kkkkkkkk....

Ana Cláudia Moura disse...

Adorei... sua criatividade é fabulosa... excelente! Beijos

Ana Cláudia

Anônimo disse...

Realmete...se o sentido da vida é uma merda, os bebês então,são um dos semeadores desse sentido...

Anônimo disse...

se vc axa q o sentido d vida eh uma merda entaum eu tenhu todo dia um novo sentido d vida......rsrsrsrsrsrs....
seu palhaço......

juliana disse...

Showw..Seu texto está muitoo bom, depois de tanta merda acho q a vida não passa de uma grande piada..rsrs!
Juliana Coutinho

Pedro disse...

pow,tava aki em casa meio deprê e comecei a questionar as coisas, ae eu procurei no google, "sentido da vida"
ae qando eu vi issu ake me distrai, xD


issu ajudou veio
xD

abraz e vlw, jack_insonia@hotmail.com

Anônimo disse...

É uma merda... tudo.

Porém não precisamos ficar nisso...

Boa reflexão, mas foi verdade o seminário?
Se foi vamos fazer juntos uma sequência em Paraty-RJ?

Vejam Monty Python o Sentido da Vida

Também dormi uma boa parte do filme..

Agora volto a falar não precisamos viver na MERDA:
- trabalhe na sua cidade, onde você vive;
- procure ajudar os outros;
- ajude a si mesmo em primeiro lugar, faça ginástica e use filtro solar, o câncer de pele tende a aumentar muito com o aquecimento global;
- escolha uma tendência política e milite nela, hoje falta dos mais jovens um sentido "político"...

ENFIM CONHEÇA PARATY - AQUI A VIDA CAIÇARA É MAIS RELAXADA, mas precisa ser parado o crescimento desordenado de todo o Município...

Ajudei?

www.litoralcostaverde.com.br