25.7.06

Play-off/06: encerramento e despedida


O pianista e compositor Michael Gees regendo a orquestra de 90 músicos durante uma peça musical de 40 minutos que encerrou o Play-off/06.

Este é o último post da série sobre a minha viagem para a Alemanha e o festival Play-off/06. Ainda bem, pois preciso mudar de assunto. Sobre a viagem e sobre o festival acho que eu já falei tudo. Faz mais de um mês que tudo terminou e eu não lembro mais dos detalhes. Então vou deixar que as fotos falem o que não estiver escrito, e vou apenas relatar o essencial.


Todos os atores e diretores reunidos na tenda, no sábado, antes da festa de encerramento.

A festa final do festival Play-off/06 foi parte de um grande evento que acontece anualmente em todo o Ruhrgebiet chamada de Extraschicht. A vasta programação cultural acontece em várias antigas instalações industriais nas 11 cidades da região. No Consol Theater o evento foi o encerramento do festival Play-off/06, que atraiu milhares de pessoas ao local onde estávamos acampados.

A área da mina Consolidation encheu de gente. Foram montados quatro palcos de rua onde os atores dos vários grupos apresentaram cenas e improvisações simultaneamente. Nosso grupo fez três improvisações em dois desses palcos. À meia-noite, no palco principal, houve um concerto de encerramento com uma apresentação musical de 50 minutos, ilustrada com coreografias realizadas por todos os grupos de teatro presentes. A peça musical foi composta e executada pelo pianista alemão Michael Gees e sua orquestra.


Milhares de pessoas da região compareceram para assistir ao encerramento.

A festa terminou com luzes, música e fogos de artifício. Depois que as milhares de pessoas foram embora restaram apenas nós: os pouco mais de cem habitantes internacionais da vila. Era a vez da nossa festa de despedida. Então ficamos acordados, esperando os grupos que partiam, conversando até o dia amanhecer.


A mina, pouco depois do final da festa.

O domingo foi um dia estranho, silencioso. Alguns grupos já partiram de madrugada, outros foram partindo ao longo do dia. Quando chegava o ônibus para levar um grupo para o aeroporto, quem estava dormindo acordava. As despedidas eram intensas, com abraços, fotos e lágrimas. No fim da tarde o acampamento estava quase vazio. Nós fomos um dos últimos grupos a partir. Partimos junto com os argentinos, sul-africanos e equatorianos.


Atores do Brasil, Polônia, Estados Unidos


Montagem com fotos tiradas por Ricardo Socalschi durante a festa de encerramento.

O embarque e as conexões foram tranqüilos. No vôo Paris - São Paulo, ficamos separados em assentos espalhados pelo avião, e eu dormi quase toda a viagem. Só acordei para o café da manhã pouco antes da chegada. A semana da volta à realidade foi esquisita e levei vários dias até me acostumar com a rotina urbana, noites longas, e vozes falando apenas português. Viagens sempre mexem comigo. Demorei para achar o rumo, mas agora é hora de seguir outros caminhos, até a próxima viagem.

Um comentário:

Anônimo disse...

Adorei este diário... As fotos são lindas. LEgal você ter postado tudo, fica pra gente também.
Sds
Andressa Cabral