1.6.06

Ein Körper in Dornen


Cena do início da peça (capturada de DVD gravado por Carlos Ebert). O cego que toca acordeón sou eu.

[An English version of this post is also available.]

Nas próximas duas semanas estarei na Alemanha, mas não tem nada a ver com futebol. Vou viajar com o núcleo experimental da companhia de teatro Os Satyros para participar de um festival internacional de teatro e fazer duas apresentações. A peça chama-se Vestir o Corpo de Espinhos. Foi criada através de um processo de dramaturgia coletiva que envolveu exercícios inspirados no surrealismo. Usou como ponto de partida a vida e obra do ator e escritor francês Antonin Artaud e procurou fundamentar-se sobre algumas de suas idéias. É uma peça impressionista.

Não é uma peça convencional daquelas que têm começo, meio e fim. Ela não tem estrutura aristotélica, não é tragédia, nem é comédia. É como se fosse uma poesia ou um quadro surrealista. É formada por várias cenas que têm em comum uma busca de consciência, de existência, ou de realidade. O tempo não existe e o espaço é a consciência, e o começo é tão incerto quanto o fim. Pode ser interpretada como um sonho que acontece dentro da mente da mulher atormentada que surge do nada antes do início da peça. E como é sonho, as imagens podem ser ilusões e as impressões podem não ser reais, mas o que se sente é real.


Cena dos cegos (capturada de DVD gravado por Carlos Ebert). Eu (atrás) e Ricardo Sochalschi.

Eu participo da peça de várias formas. Escrevi o texto de uma das cenas da peça, criei alguns objetos de cena (um feto, bengalas luminosas, olhos artificiais), faço o papel de um dos cegos e executo a trilha sonora ao vivo no piano, quando não estou em cena. Também fiz a tradução da peça para o inglês (na Alemanha a peça será apresentada em inglês com trechos em alemão e português).

No final do ano passado, nós fizemos duas apresentações experimentais. Numa delas, uns alemães que estavam passando pela praça Roosevelt entraram para assistir. Eles gostaram e nos convidaram para apresentar a peça na Alemanha. Não foi tão simples assim, houve ainda uma seleção, tivemos que gravar e enviar um DVD e no final nós fomos selecionados. Então no domingo viajaremos para a Alemanha para participar do festival internacional de teatro PlayOff'06 onde iremos representar o Brasil com esta peça, que terá apresentações em duas cidades do estado de Nordrhein-Westfalen.

Página da peça no site do festival
Link para a página da peça no
site do festival Play-off'06
A peça ainda está em cartaz em São Paulo até este sábado, dia 3 de junho, no Espaço dos Satyros I, na praça Roosevelt. Tem duração de 40 minutos. Há poucos lugares (apenas 40), portanto, quem quiser ver deve reservar o ingresso. Veja mais informações no final deste artigo. Veja também no meu site fotos das primeiras montagens da peça.

Então não vou mexer com tecnologia nas próximas duas semanas. Serão praticamente férias do computador (mas quando voltar eu vou ter que correr atrás do prejuízo). Não vou levar notebook, mas encontrando um cyber-café aproveitarei para olhar os e-mails e atualizar o blog com notícias e imagens. Vou aproveitar a viagem para ler O Fausto, de Goethe, na tradução inglesa de Walter Kauffman (ainda não vai ser desta vez que vou ler em alemão). Na segunda-feira pela manhã estarei em Paris esperando conexão. Ao meio-dia pousaremos em Düsseldorf (dizem que lá existe um vampiro). De lá iremos para Gelsenkirchen, onde ficaremos em um camping junto com os outros participantes de vários países. Fora o teatro, não planejei nada do que vou fazer por lá (só decidi que quero subir os 560 degraus da torre da catedral de Colônia; o resto eu decido no caminho.)

PS.: Os principais atores da companhia de teatro Os Satyros terminaram há pouco uma tournée de grande sucesso pela Alemanha, onde se apresentaram e foram ovacionados nos principais palcos do país com a premiada A Vida na Praça Roosevelt, da dramaturga alemã Dea Loher, dirigida por Rodolfo Vázquez (prêmio Shell de melhor diretor). Veja mais no blog do ator Ivam Cabral.

Vestir o Corpo de Espinhos
Espaço dos Satyros. Praça Roosevelt, 214. Tel.: 3258-6345. Sábado, 03 de junho às 19h. Duração aproximada: 40 minutos. Ingressos: R$20,00 (inteira) e R$10,00 (meia). Estacionamento: R$6,00.
Elenco: Fabiana Souza, Ana Lúcia Felipe, Ana Pereira dos Santos, Andressa Cabral, Helder da Rocha, Luis Paulo Maeda, Maria Campanelli Haas, Peterson Ramos, Ricardo Socalschi, Teka Romualdo, Wanderley Firmino
Texto: Regina Ciampi, Helder da Rocha, Luis Paulo Maeda, Andressa Cabral, Teka Romualdo e Wanderley Firmino.
Dramaturgia e figurino: Núcleo Experimental dos Satyros
Piano, acordeón e trilha sonora original: Helder da Rocha
Direção: Alberto Guzik
Assistencia dramaturgica e de direção: Laerte Késsimos
Coordenação do processo: Alberto Guzik, Ivam Cabral, Rodolfo Vázquez e Laerte Késsimos

2 comentários:

Dani disse...

Boa viagem...

Julliana Veloso disse...

idem, hélder. gostei do título "vestir o corpo de espinhos".