21.5.06

Pequenas tragédias


"Foi o próprio Deus que, ao fim da sua jornada de trabalho,
estendeu-se em forma de serpente sob a Árvore do
Conhecimento: assim descansou de ser Deus. Havia feito
tudo bonito demais. O Diabo é apenas a ociosidade de
Deus a cada sete dias."
(Friedrich W. Nietzsche, “Ecce Homo”)

Estava tudo perfeito demais. Nada faltava. Todos estavam satisfeitos. O crime não existia. Não havia catástrofes naturais. Os impostos eram pagos em dia. A natalidade estava sob controle. As fábricas não poluíam. Em paz eles nasciam, cresciam, casavam, trabalhavam, envelheciam e morriam. A brincadeira não tinha mais graça. A felicidade permanente não se distinguia do estado natural. Era tudo muito chato. Mais chato que a samambaia da sala. A samambaia pelo menos precisava de alguns cuidados para não secar e morrer. Eles não. Eles pareciam um relógio, uma máquina perpétua, um câncer. Eram uma aberração da natureza. Uma violação de todas as leis da física. Eles não podiam existir. Se existissem a existência seria insuportável. Parecia tudo falso. Devia ser um engano.

Era mesmo. Era um pesadelo. Ufa! Acordei tonto com uma ressaca terrível e fui conferir. Não, nada estava funcionando direito. Havia peças faltando e outras ruindo. Havia incerteza, medo e doença, criação e destruição. Havia coisas a resolver, a melhorar, e não havia garantia de que nada se realizaria. O paraíso nunca seria alcançado mas havia vontade, esperança, sonhos e ilusões. Havia movimento. Havia muita dor. Havia vida. O amor nascia e morria. Tive até vontade de agitar um pouco o aquário, causar umas pequenas tragédias, mas achei que não seria preciso.

3 comentários:

rita disse...

será daí que veio a filosofia de botequim - "cabeça vazia , moradia do diabo" ?
beijinhos

Juliana disse...

Ola.. estou aqui para dizer que gostei muito da sua pagina com a tradução da Divina Comédia! Voce precisa colocar la um link para contato!!
Entao.. parabéns!!!
Juliana

Rafael Slonik disse...

Estava eu pensando que deveriam mesmo existir deuses como os dos gregos. E que houvesse disputa pelo poder do universo usando seus exércitos e heróis humanos.

Teríamos pelo menos algo grande pelo que lutar.