14.10.05

O poço sem fundo



Personagens:
MIX - o caos ou a loucura criadora.
MAX - o supremo ou a natureza.
NUX - o povo ou a ignorância.
NOX - a noite ou a crítica realista.
LUX - a luz ou a curiosidade sonhadora.
LEX - a lei ou os costumes.
REX - o rei ou o governo.
ROX - o rebelde ou a alienação.
SAX - o sacerdote ou a igreja.
SEX - o libertino ou o instinto.

(Os dez estão perdidos em lugar e tempo indefinidos.)

MIX – Vamos recomeçar.

LUX – Ainda não é o fim... há muito mais. Vamos procurar.

SAX – É pecado.

LEX – É proibido.

SEX – Que tesão...

ROX – Que viagem...

NOX – É o fim do mundo...

REX – Só prossiga se eu autorizar...

MAX – O fim é sempre o começo. Deixe viver!

NUX – Eu quero mais.

MIX – Atrás de você tem elefantes e moscas.

LUX – Nunca vamos começar, se o caos continuar.

MIX – Eu não tenho nada a ver com isto.

SAX – Tem que haver ordem. Ordem!

LEX – Concordo.

REX – Mas eu preciso aprovar antes que seja liberado.

MAX – Vamos jogar de novo. É muito divertido esse mundo!

ROX – Tem que liberar geral... loucura total... vamos detonar galera!

SEX – É isso aí... eu quero mais... mais!

NOX – Tem que ser mais escuro... tá muito arrumado, muito claro, muito igual.

ROX – É... tem que deixar rolar... pirar... enlouquecer.

NUX – Já sei... vou me foder de novo. Vocês sempre fodem comigo.

SAX – Não está certo... não tem nada aí. Se não está escrito então não é verdade.

LUX – Talvez seja um caminho para revelar o desconhecido.

REX – Vocês precisam me mostrar isto antes. Eu conheço o mundo inteiro. Eu estou aqui para isto.

MAX – Menos, menos... você é apenas mais um. Deixe os outros brincarem também.

SAX – Se tudo for permitido, vamos nos corromper e nossa sociedade vai entrar em colapso.

MAX – Não vai não.

SAX – Isto é um grave pecado aos olhos Dele.

MAX – Não... eu não sou tão cruel assim.

SAX – É o diabo!

NOX – O diabo é legal.

MAX – É um rival, nada mais.

NOX – Os demônios tocam um rock do caramba... marginal!

ROX – É... é do caralho!

NOX – É o satanás, é o Lucifér.

LUX – Não confunda as coisas. A luz é boa.

SEX – É a luxúria, é a tentação! Yes!

LUX – Não é a mesma coisa. A curiosidade é boa.

NOX – Esqueça! É tudo igual.

LUX – Duvide! Nem tudo é mau.

SAX – Creia! Não se desvie do caminho.

NUX – No meio do caminho, eu me perdi numa selva. Era escura.

NOX – Eu conheço essa história, mas prefiro a Teogonia.

SEX – Poderíamos juntar todo mundo numa grande orgia... que tal?

LEX – Desde que esteja dentro da lei... apresente um projeto.

SAX – É um pecado...

ROX – Foda-se o pecado.

NOX – O pecado... o beijo da morte... é linda a morte, não é?

NUX – Assim não quero... eu quero bolo... eu quero.

MIX – Bolo é música, chuva é argumento. Você não deseja árvores?

NUX – Por que?

MIX – Porque elas descem como serpentes, e sobem como correntes.

NUX – Eu gostei. Por que você não solta tudo.

MIX – Os nomes não batem, e as palavras são ocas. Tem muita letra sobrando.

NUX – Tem que deixar falar... Não pare.

MIX – Vou ter que esperar, puxaram a corda, o controle se fez...

LEX – Fiz sim. Não se pode corromper a idéia. O texto é sagrado, a lei é clara.

SAX – Está errada. Ela permite muito. Precisa ser mais rígida.

LEX – É flexível, porque eles mudam... a lei é de todos.

SAX – Não deviam permitir que mude. Ela é uma só. É eterna. É de Deus.

MAX – Podem ficar com ela se quiserem.

SAX – Esta é a verdadeira lei, a lei Dele.

MAX – Não é minha não... Já te falei... Se você não fosse tão surdo...

SAX – Eu falo com Ele todos os dias.

MAX – Fala, mas não me entende... Muito menos me ouve.

LEX – A lei não é dele, é de todos nós.

ROX – É isso aí... a lei é foda... a lei é muito foda.

SEX – Foda? Eu quero. Onde foram todos? Ninguém quer?

ROX – A lei é uma merda... foda-se a lei!

SEX – Alguém tá a fim? Tô suando... Quem tá dentro?

ROX – Eu tô dentro... eu tô fora, mas depois tô dentro de novo.

SEX – Legal... você espera e eu entro, que tal?

ROX – Sei não maluco, sei não... faz do outro jeito, vai.

MIX – Mistura tudo, troca os pares, os nomes, os dedos, o sexo e os crucifixos.

REX – O que está havendo? Eu não disse que não começassem sem mim?

SEX – Fudeu, majestade, fudeu... Não deu pra segurar. Vai ter que esperar...

REX – Que insubordinação... onde é que eu entro?

SEX – Não entra, não entra... nós entramos. Abaixe-se, ó majestade!

REX – Onde está a rainha?

SEX – Às suas ordens... mas antes vamos começar com a República, pois o Senado está esperando desde ontem.

REX – E o povo. Cadê o povo.

NUX – Dá um tempo, majestade, não tenho mais o que dar.

LUX – Não enxergam. São mais cegos que eu imaginei que fossem.

NOX – No fim, acordarão, mas será noite.

LUX – Sempre no escuro. É tudo opaco, oculto. Nada é transparente.

NOX – Luz demais cega... é pior que escuro, é permanente.

LUX – Só porque aceitam com olhos fechados. É só cara. É só fachada. A palavra é falsa. Tudo fazem às escondidas.

NOX – Não faz diferença... a morte é a meta final. Todos irão alcançá-la.

LUX – Mas o espaço é vasto!... Deveria ser usado. É um desperdício.

NOX – A morte é a razão de tudo. Resolve todos os enigmas, apara todas as desigualdades.

LUX – Mas e o tempo que corre?... Deveria ser apreciado. É uma pena.

NOX – O que é a vida?

LUX – É o único caminho para a morte.

MAX – Não permite bagagem. Aproveite e curta a paisagem.

REX – Mas é preciso planejar direito, ou você vai se arrepender. Fale sempre comigo antes. Não é tão fácil viver.

MAX – Não existe segredo. É só não ter medo. Sonhos são possíveis. Não pergunte a eles, pergunte a si mesmo.

REX – É preciso tomar decisões, assumir compromissos.

SEX – Nada de compromisso. Eu não tô afim.

LEX – Seguir os costumes, as convenções.

ROX – Que nada! Fodam-se as convenções.

LEX – Sem elas o mundo seria anarquia. Um caos!

MIX – O caos é o princípio de tudo. Eu sou caos, tu és caos, Ele é caos.

MAX – O caos é bom. Mas é melhor acompanhado.

LEX – Sem a lei nada se preserva.

SAX – É preciso manter as tradições, a família, as propriedades, religiões.

LEX – Não foi isto que eu disse.

SAX – Eu sei... sua lei é secular.

LEX – É preciso para haver harmonia, para que haja paz entre os povos.

ROX – Foda-se a harmonia. O mundo é guerra, os humanos matam, morrem.

NUX – A guerra é uma merda.

ROX – É uma merda. Tudo é uma merda.

NUX – Você é uma merda.

ROX – Vá tomar no cu!

SAX – Ó boca suja... o mundo está perdido.

ROX – Vá tomar no cu você também!

SAX – As leis foram feitas por vocês, pecadores, por isto não funcionam.

LEX – Mas ninguém conhece as leis divinas. São inalcançáveis aos mortais.

SAX – Está escrito... Elas foram reveladas.

LEX – Mas não é você a revelação, tampouco esse livro antigo. A revelação está na luz, na noite, na natureza.

MAX – É verdade.

LUX – É só procurar. Não acredite em quem diz ter a verdade.

NUX – É tudo um bando de mentiroso.

LEX – É preciso que haja um juiz imparcial.

NUX – Todo juiz é ladrão. Eu vi quando ele roubou o pênalti!

LUX – É preciso buscar a luz na ciência para deixar de ser sombra.

NOX – Mas é preciso ter sombra. A sombra é a diferença. O poder cega, mesmo com ciência, e cria leis onde não há.

LEX – Não lembro dessas leis.

LUX – A lei da gravidade.

NOX – Teorias! Ninguém conhece as verdadeiras leis. A perfeição está cheia de manchas escuras, mas só a noite tem pontos claros! O negro é lindo.

NUX – Eu gosto mais do louro. O programa dele dá prêmio todo sábado. É muito bom. Você não pode perder!

MIX – O bom mesmo é comer amendoim. Mas é preciso tirar a casca.

NUX – Eu como a casca.

MIX – Tirei oito, você tirou quantos?

NUX – Nunca sei.

MIX – As vacas são de papel, mas elas não se molham. Talvez seja porque o Sol nunca esteve tão perto. Dizem que tem manchas.

NUX – As vacas?

MIX – Não. O Sol.

NUX – Trinta e seis.

MIX – Não vale. Você escolheu a cesta errada. Precisa decifrar os outros também. O rei não vai gostar.

REX – Não vou mesmo. Isto tudo não está me agradando em nada.

SEX – Quer trocar de lado?

REX – Não. Quero ser respeitado. Eu não gostei do seu tamanho. A espessura não foi aprovada.

SEX – Talvez com a língua.

REX – É muito fina. Eu quero algo maior.

SAX – Quando as autoridades estão corrompidas, como pode-se esperar que a população respeite qualquer coisa que seja?

LEX – As autoridades acreditam estar acima de tudo e de todos. Isso não é lei. É dogma. Se a lei é ilegítima não vai funcionar.

SAX – Mas existem verdades absolutas que estão acima de tudo e de todos. Diante delas, as autoridades civis são nada.

LEX – São humanas, assim como as outras, que são ainda mais ilegítimas.

SAX – Como você sabe disso?

MAX – Eu contei para ele.

SAX – E quem é você?

MAX – Aquele quem você diz representar.

SAX – Blasfêmia. Você é como nós. Igual a nós. Que pretensioso...

MAX – Eu já havia falado isto antes. Está escrito. Você deveria saber.

SAX – Você devia ser preso, crucificado. Falso profeta!... Onde está a lei?

LEX – Eu lavo minhas mãos.

SAX – É preciso dar exemplo. Isto não pode ficar assim.

LEX – Então pergunte a eles. Há tantos delinqüentes.

ROX – Eu não sou delinqüente.

LEX – Ou você ou ele. O que vocês acham?

NUX – O grandão é muito chato. Solta o mano.

SEX – O grandão é muito feio. O mano é bonitão.

REX – Esse é o subversivo? Ele merece uma lição. Ordeno que o executem. Soltem o moleque e mande ele já para o meu gabinete.

NOX – A noite cairá sobre o mundo, que adormecerá num sono profundo.

NUX – Eu não tenho nada a ver com isto. Não fui eu quem roubou a maçã.

SEX – Todos comemos inclusive você. Assume mané!

NUX – É uma pouca vergonha...

MAX – Deixem disso. Não me façam mártir... não vai ser bom para vocês.

ROX – Martírio é uma merda.

NOX – As trevas se espalharão por toda a Europa.

LUX – Mas um dia, quem sabe, haverá iluminados.

NOX – As trevas estão voltando. É por isto que ele está entre nós.

SAX – Eu?

LUX – Sim, você! Você é o portador das trevas. Quem espalhou a morte nas fogueiras? Você mente. Você impede que eles O vejam.

SAX – Mas... eu sou o caminho...

ROX – Caminho, o caralho! Abre alas que eu quero passar!

MAX – O caminho não tem intermediários.

SAX – Você não morreu ainda?

MAX – Não consegui... vocês me ressuscitaram! Mas fizeram errado! Isto não sou eu. De onde você tirou isto? Essa lei não é minha!

SAX – Claro que não... é o caminho verdadeiro. Você é o inimigo. Você é a besta.

NOX – A besta é demais. Viva a besta!

NUX – Eu vou rezar, eu prometo!

ROX – A besta é do caralho!

REX – Assim não dá! Assim não dá! Não autorizei ninguém a me chamar de besta.

SEX – Eu não quero mais... não com você, sua besta. Fique com seu povinho.

NUX – Povinho não!

REX – Me respeite, seu moleque! Eu financio a sua igreja... não vou permitir isto.

SAX – Eu criarei um novo pecado.... deixe comigo!

NUX – Por que não deixam tudo como estava antes? Era tão bom.

LUX – Não me surpreende que sejam todos cegos.

MIX – Os cegos são muito sábios. Conseguem ver até o que não existe.

NUX – Ei, esta frase é minha.

MIX – Frases são letras e letras são riscos e riscos são manchas e manchas são nada.

NOX – Sem o nada, nada haveria. Viva o nada!

LUX – Os cegos estão vencendo. E agora? O que será de nós?

LEX – A justiça é cega. É bom que seja assim.

REX – É surda. Falta autoridade. Falta pulso firme; competência! Me dê suas armas, que eu cuido de vocês.

SAX – Olha só quem fala... Me passem as crianças, que eu as educarei para o futuro, na virtude, para a plenitude.

SEX – Sei.

LUX – Nada é transparente. Tudo é complicado. Quem sabe mais adiante possamos nos livrar dessas regras?

NOX – A justiça tem que conhecer a noite. Quem sabe assim vai conseguir enxergar melhor o que acontece nas caladas.

ROX – Vamos acabar logo com esse papo chato... eu quero é curtir a noite. Vamos lá, galera!

NOX – Estão todos cegos. São as trevas da ignorância.

ROX – Ignorante é a mãe. Eu quero festa! Eu quero circo! Vamos lá, porra! E aí, meu Rei?

REX – Não me chame de rei, pega mal. Isto aqui é uma democracia.

NOX – Governo do demo! É o cão!

REX – Do cão não. É do polvo! Eu sou o grande polvo... veja meus tentáculos como são pegajosos.

MAX – Não é um polvo. Só parece. Não olhe só os tentáculos. A cabeça é diferente.

ROX – Chega de nhém-nhém-nhém. E a festa, como é que fica?

NUX – Pois é... o polvo sempre leva tudo e a gente fica sem nada. Onde está minha festa?

SEX – É... e a festa? Eu quero sexo! Eu quero doce! Eu quero, eu quero!

REX – Vai ser uma grande festa popular. Venha exercer seu direito e viva a democracia!

NUX – Político é tudo igual. Tudo corrupto. Odeio política. Quero a festa. Não vai ter festa?

MAX – Que gire o mundo!

NUX – Mundo, que mundo?

MIX – A roda-viva.

NUX – A roda da fortuna? Se tiver dinheiro eu quero!

MIX – Não. O poço sem fundo. Há-há!

NUX – Você não diz coisa com coisa, cara.

MIX – Eu sou o alfa e o ômega, eu sou o pato e a galinha, o traço e o branco.

NUX – Louco...

MIX – Escreva! Não vai doer. O fim está próximo. Vamos girar!

NUX – E onde ele está?

MIX – Na sua frente, veja!

NUX – Onde?

MIX – Vamos recomeçar.

Nenhum comentário: