18.9.04

São Sebastião, por Yukio Mishima

Trecho do poema em prosa escrito por Yukio Mishima, do livro Confissões de uma Máscara, inspirado em uma reprodução do quadro São Sebastião, de Guido Reni (séc XVII), do Museo Palazzo Rosso de Gênova (reproduzido abaixo). Tradução de Jacqueline Nabeta.

Santo Sebastiano, Guido Reni, Museo Palazzo Rosso, Genoa
"(...) Contam os anais do martírio que, nos anos seguintes à posse de Diocleciano, quando ele sonhava com o poder sem limites, desobstruído como o vôo de um pássaro por céu aberto, um jovem capitão da Guarda Pretoriana foi acusado e preso por ter adorado um deus proibido. Seu corpo maleável lembrava o de um famoso escravo do Oriente por quem o imperador Adriano se apaixonara, e seu olhar era tal qual o de um conspirador, despido de emoções feito o mar. Era de uma arrogância encantadora. Levava no elmo um lírio branco, oferecido todas as manhãs pelas donzelas da cidade. Enquanto descansava de intensos treinamentos, a flor acompanhava as curvas de seus cabelos viris, e a forma graciosa como pendia lembrava a nuca de um cisne.
     Não havia uma só pessoa que soubesse seu local de nascimento, de onde viera. Mas todos pressentiam algo. Que aquele jovem com um físico de escravo e feições de príncipe estava ali de passagem. Que aquele Endimião era um pastor de ovelhas. Que ele, mais do que ninguém, fora escolhido como guardador de rebanhos do mais verde dos pastos, de que não havia igual.
     Por outro lado, algumas donzelas acalentavam a certeza de que ele viera do mar. Porque de seu peito podia-se ouvir o bramido das ondas. Porque em seus olhos pairava o horizonte misterioso e inextinguível que o oceano deixa como lembrança no fundo das pupilas daqueles que nasceram na costa e de lá precisaram partir. Porque seu hálito era quente como a brisa do mar no auge do verão, e exalava o odor das algas lançadas à praia.
     A beleza que exibia Sebastião, o jovem capitão da Guarda Pretoriana, não estaria destinada à morte? E as robustas mulheres de Roma, com seus cinco sentidos aguçados pelo sabor da boa bebida, de estremecer os ossos, e pelo gosto da carne gotejante de sangue, não teriam elas logo percebido seu malfadado destino, que ele próprio ignorava, não o teriam amado por causa disso? O sangue corria no interior daquele corpo alvo com fúria e velocidade ainda maiores, espreitando a fenda por onde jorraria tão logo dilacerada a carne. Como poderiam as mulheres deixar de ouvir desejos tão intensos de um tal sangue?
     Não se tratava de uma vida frágil. Não era, de modo algum, um destino lastimável. Era, antes, insolente e trágico. A ponto de se poder chamá-lo resplandescente.
     É provável que, mesmo em meio a doces beijos, a agonia da morte em vida se tenha prenunciado no franzir das sobrancelhas. (...)"*


* Yukio Mishima, Confissões de uma Máscara, Tradução de Jacqueline Nabeta, Companhia das Letras, São Paulo, 2004.

4 comentários:

Anônimo disse...

Nossa, que lindo!....
Gostaria muito de ler este texto, Helder... podes me conseguir uma cópia?
{{Denise;;denise.janoski@br.mcd.com}}

Anônimo disse...

Mishima%20eh%20um%20dos%20escritores%20mail%20brilhantes%20da%20literatura%20mundial%20na%20minha%20opinmi%E3o%3B%20passei%20a%20ter%20conhecimento%20de%20sua%20vida%20e%20de%20sua%20obra%20atrav%E9s%20da%20rede%20cultura%20de%20TV%2C%20q%20exibiu%20um%20brilhantedocument%E1rio%20sobre%20ele.%20Sua%20vida%20reflete%20a%20esperan%E7a%20em%20perpetuar%20as%20tradi%E7%F5es%20de%20seu%20pa%EDsm%20pelas%20gera%E7%F5es%2C%20o%20fascinio%20pela%20morte%20e%20pela%20a%20honra.%20Muito%20boom%20mess%21%0D%0AEstou%20terminando%20uma%20monografia%20a%20ser%20entregue%20para%20a%20UNESP%2C%20campus%20de%20mar%EDlia%20%28SP%29%20referente%20ao%20jornal%20gay%20Lampi%E3o%20da%20Esquina%20%28que%20circulou%20de%201979%20a%201981%29%2C%20movimentos%20sociais%20e%20pol%EDtica%20de%20identidade%3B%20h%E1%20em%20uma%20das%20edi%E7%F5es%20do%20Lampi%E3o%2C%20uma%20mat%E9ria%20sobre%20o%20Mishima.%20Precisava%20saber%20corretamente%20o%20nome%20do%20quadro%20de%20Reni...%20poderia%20me%20informar%3F%0D%0ASe%20eu%20nom%20me%20engano%2C%20eh%20%22Os%20mart%EDrios%20de%20S%E3o%20Sebasti%E3o%22.%20Obrigado.
{{Rafael Lemos;http://rafael_lacrimoso.zip.net;lemosrafael@uol.com.br}}

Anônimo disse...

eheh%2C%20errar%20a%20data%20do%20Lampi%E3o%20da%20Esquina%20eh%20grave%3A%201978%20a%201981...%20desculpa%21
{{Rafael Lemos;http://rafael_lacrimoso.zip.net;lemosrafael@uol.com.br}}

Gera. (gera.oliveir@gmail.com) disse...

Caros, Helder e demais que escreveram comentários.
Estou fazendo um trabalho plástico onde pretendo traçar uma rede de relações, principalmente iconográficas entre a imagem de São Sebastião no imaginário Renascentista e na atual situação de vidas periféricas, pessoas que vivem à margem social (ou países) e que de alguma forma estão se incluindo na sociedade que demanda centros de poderes.