4.9.04

Blog de Babel

Torre de Babel por Pieter Bruegel, séc XVI Eu estou com vontade de escrever em inglês. Eu sabia que isto ia acontecer. Mas não vou bagunçar tudo agora. Não queria limitar a liberdade de escrever neste blog, mas também tenho que lembrar que não estou escrevendo para mim apenas. Há leitores imaginários que poderão surgir... ainda não sei como nem o que escrever aqui. Talvez seja legal deixar que as idéias escapem livres, sem censura. Mas também se ficar muito louco só quem vai entender esta coisa sou eu, e ninguém vai querer entrar aqui.

Mas não era este o assunto. A verdade é que estou sem assunto... Já que não vou mesmo escrever em inglês vou falar sobre esse problema que eu inventei. São dois escritores; e os dois sou eu. O mais antigo, que escreve há mais tempo, pensa e escreve usando a língua inglesa. Ele nasceu, eu acho, no Canadá. Eu tinha uns 11 anos. Consegue escrever com mais liberdade. Parece ser mais dramático. Perde um pouco no vocabulário, que não evoluiu como poderia.

O outro escritor é mais filosófico, discute coisas mais racionais, tem mais palavras à sua disposição e, talvez por isto, consiga confundir mais, falar mais e dizer menos. Ele nasceu, eu acho, quando o outro começou a ficar sem palavras para expressar o mundo... Acho que eu tinha uns 20 anos. Mas este é, de uma certa forma, mais imaturo. Narra muito, pensa demais, confunde tudo, escreve bobagens constantemente. Suas idéias são muito suaves, calculadas. Escreve ondas, serras aparadas. O outro, mais destemido, escreve penhascos, abismos e picos pontiagudos. Lança idéias cortantes e conflitos insolúveis. Quem sabe não é esse conflito de babel o motivo das tantas histórias não terminadas.

Convivo bem com esses dois, que concordam nas idéias, mas não na forma. Às vezes eu acho que tem outros mais. A mente - pelo menos a minha - não tem idioma, e é mais fácil escrever da forma mais natural, que às vezes não é português, às vezes nem inglês, nem mesmo palavras... às vezes, ainda dá para desenhar.

Nenhum comentário: